loader image

Como superar um relacionamento tóxico e ser feliz no amor?

Liberte-se de relações nocivas!

Algumas relações são nocivas, mas não conseguimos identificar claramente os primeiros sinais. Você sabe quais as características de um relacionamento tóxico? 

Neste artigo vou ajudar você a entender mais sobre o assunto, a como superar um relacionamento tóxico e ser feliz no amor!


O que é um Relacionamento Tóxico?

como superar um relacionamento tóxico de casal - conceito

Não é incomum ouvirmos relatos sobre relacionamentos tóxicos, principalmente na atualidade, onde estamos caminhando para uma busca talvez maior por relacionamentos saudáveis.

Logo, quando notamos algo tóxico no comportamento de alguém, é mais possível que possamos nos incomodar e ficarmos atentos aos sinais.

Muito se fala sobre o que é o que é tóxico, mas ainda precisamos evidenciar os primeiros sinais de uma relação adoecida por comportamentos tóxicos e prejudiciais para cada um.

Dentro de uma relação tóxica, temos um ou dois indivíduos que possuem características ou comportamentos nocivos para com a relação ou para com o outro. 

Identificando um Relacionamento Tóxico

Características:

como superar um relacionamento tóxico - menina sozinha

As situações que podem levar a um relacionamento tóxico são várias, mas quero mostrar aqui as 10 características mais comuns e que causam mal estar às relações:

  1. Há brigas constantes;
  2. As ofensas verbais dão seus primeiros sinais dentro de um relacionamento tóxico;
  3. Você se sente mais culpado e angustiado(a) do que feliz dentro desse relacionamento;
  4. Vocês se criticam mais do que se elogiam;
  5. Energia completamente negativa e um peso que por vezes fica difícil descrever;
  6. Você não é mais autêntico;
  7. Essa relação traz à tona seus defeitos e não qualidades;
  8. Vocês podem ter crises ansiosas;
  9. Os conflitos não chegam a conclusão alguma;
  10.  Você se sente inseguro para expor sua opinião e evita assuntos para não gerar brigas.

Relacionamento tóxico e abusivo: Quais as diferenças?

Tanto em uma relação tóxica quanto na abusiva, há de fato um sofrimento muito grande. E na maioria das vezes, pode deixar uma das parte completamente adoecida.

Há uma diferença sutil, mas muito importante!

Quando falamos em Relacionamento Tóxico, ainda não existe um abuso de poder. Apenas comportamentos prejudiciais, que não dependem de um abusador para acontecer, mas sim, de pessoas que não sabem vivenciar relacionamentos saudáveis e acabam por prejudicar o relacionamento.

Já no Relacionamento Abusivo, existe uma relação de poder muito forte para com um dos membros do casal, que exerce forte influência no parceiro ou parceira, a ponto de manipular situações em seu próprio benefício. Muito comum em pessoas narcisistas, pois pode se tratar de uma perversão.

Essa perversidade é a característica principal de um abusador. Aqui nós estamos falando de uma estrutura psíquica, onde este manipulador usa de sua influência financeira ou emocional, muitas vezes, para fazer com que a vítima se sinta extremamente culpada e invalidada dentro desse relacionamento.

Lembrando que relacionamentos abusivos podem ter como abusadores homens OU mulheres e não só um gênero.

Me apaixonei pela pessoa errada: como superar um relacionamento tóxico?

como superar um relacionamento tóxico? coração quebrado

É natural como todo início de relacionamento, estarmos cobertos pela paixão e ficarmos “cegos” ao observarmos características tão negativas em alguém que amamos tanto

Por isso, podemos cair no erro de deixar “passar batido” comportamentos super importantes na hora de avaliar se aquela pessoa que você escolheu pode ser de fato a certa para você. Isso acontece muito, mas não se culpe por isso!

É importante ouvir a voz do coração e da razão juntos! Unindo racional e intuição, você pode ter as respostas que precisa, mas esteja aberto para as possibilidades.

E então, como superar um relacionamento tóxico e ser feliz no amor? Como escolher a pessoa certa?

Dica 1 – Invista no seu autoconhecimento e amor próprio

relacionamento tóxico x relacionamento saudável

Assim, vai poder se avaliar e avaliar qualquer pessoa com quem se relacione, se percebendo e se observando quando algo não condiz com a sua verdade.

Poderá enfim avaliar se deve ou não sair desse relacionamento sem nenhum peso ou dúvida.

Dica 2 – Pratique o Desapego

como superar um relacionamento tóxico? desapego: homem rasgando coração

Quando menciono o desapego, não me refiro a não se importar com nada e nem com ninguém! Mas sim, com ideias que você projetou no outro, quando este não tem obrigação e nem tem o poder de suprir todas as suas necessidades – que, muitas vezes, podem estar ligadas a feridas infantis que você deposita no outro.

Praticar o desapego pode te livrar da dependência emocional, por exemplo. Mas esteja atento em procurar ajuda se achar necessário, pois a dependência emocional é algo muito sério que você pode não conseguir trabalhar sozinho(a).

Para isso, existe um método que se chama “Divórcio Energético”. É uma ferramenta de meditação guiada que pode te ajudar limpar memórias pesadas de relacionamentos adoecidos e te auxiliar a se sentir mais leve e segura para entrar em novos relacionamentos.

Então mesmo que você tenha saído, ou queira sair de um relacionamento tóxico, você ainda pode se sentir preso(a) a emoções negativas e sentimentos de ainda estar vivendo aquilo que foi ruim.  Alguns sinais são:

  1. Sentimento de sobrecarga;
  2. Sentir-se preso a memórias do passado;
  3. Sentimentos de rancor e angústia para consigo ou com o(a) ex parceiro(a).

Essa energia pesada, pode estar te atrasando no amor ou fazendo com que você siga repetindo os mesmos padrões negativos dentro de seus próximos relacionamentos. O autoconhecimento é a chave para dar um novo sentido a isso.

No divórcio energético, você é guiado em um profundo estado de relaxamento, onde acessa essas memórias e encerra esse ciclo no seu campo energético, trazendo alívio para o momento e para essa relação que chegou ao fim.

Então, se você:

  • Não consegue esquecer o seu ex;
  • Se mantém preso em memórias e ressentimentos do passado;
  • Sente culpa pelo término;
  • Sente-se rejeitado(a);
  • Compara constantemente seu relacionamento passado com o atual;
  • Acredita nunca mais ser capaz de ser feliz no amor;
  • Evita se envolver novamente com alguém.

Além do mais, essa troca de energia produzida pelo relacionamento amoroso, faz com que deixemos um pouco de nós e acabamos carregando um pouco do outro também na gente. Chamamos isso de “Fragmentos de Alma” ,são como “pedaços” nossos que deixamos no parceiro(a) e vice-versa. 

Ou seja, toda e qualquer relação que você tem com algum, seja de amor ou ódio, amizade ou desafeto, união e partida, faz com que você crie laços energéticos que te une com o outro, de forma invisível aos olhos mas possível de sentir. No divórcio energético você pode resgatar seus fragmentos de alma, entrar em contato com as crenças que te te fizeram permanecer nesse tipo de relacionamento e enfim realizo o corte desse elo energético. 

Ouça meu Podcast no Spotify

Esse conteúdo foi útil para você? Clique aqui e descubra como posso te ajudar!

Esse texto é de minha autoria e foi publicado originalmente pelo site Guia da Alma. Você pode acessa-lo nesse link.

3 comentários

  1. Olá Nicole!
    Também estou passando por um relacionamento conturbado, que acaba de completar dois anos. Nos primeiros meses, eu não sentia que fosse algo duradouro, por isso me considerava ainda solteiro, saindo a excursões e programas sociais e fazendo novas amizades. Mas aí, logo em seguida, a pessoa que veio a ser minha namorada começou a ter ciúmes, de maneira excessiva, tanto que deixei de ir às excursões que eu tanto gostava (sim, adoro viajar!) e fui obrigado a cortar contato com pessoas com quem me comunicava, principalmente mulheres, a fim de preservar nosso relacionamento.
    Fui gostando dela cada vez mais, e me sentindo à vontade para expressar minhas emoções com ela. Porém, não estou conseguindo me desvencilhar da relação, pois sinto saudade da vida de solteiro.
    Tive um relacionamento de doze anos, que foi tristemente terminado em janeiro de 2020, com a morte da minha parceira. Uma doença de pele a vitimou de maneira cruel, nefasta. Fiquei enlutado, é lógico, pois vivi ótimos momentos de romance com ela. Logo após, fui aproveitar que estava desimpedido e retomar antigos contatos, além de fazer novas amizades. No entanto, foi por pouquíssimo tempo, tendo em visto a pandemia da Covid-19, que assolou o mundo – e ainda assola – , e alterou a rotina de todas as atividades humanas. Com os encontros 5exuais/amorosos, não foi diferente. E, nesse meio tempo, comecei a me relacionar com a parceira atual.
    Não tenho podido mais interagir com minhas amigas mulheres como nesse período, ter mais intimidade, enfim. Tenho que cuidar o que comento nas redes sociais, fotos que eu curto. Não posso ficar de papo no Whatsapp com elas, porque a minha namorada vê quando eu estou online e já desconfia. Sair sozinho, ou só eu e minhas cachorrinhas? Nem pensar. Está uma relação difícil, da qual não estou conseguindo me desligar.
    Guilherme – servidor público – Porto Alegre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.